Novidades

Da Encarnação

Luiz Carlos Ruas morto no Rio de Janeiro por defender dois homossexuais que estavam sendo agredidos

A vida e a Graça estão marcadas por dialética radical: a realidade é simultaneamente dom e conquista. O amor é assim, o dom não é proporcional ao jogo da conquista, a pessoa amada só vem ao amor se quiser, ela se entrega, se dá. Receber uma criança que nasce é, do mesmo modo, sentir essa dualidade radical, unificada em única alegria inefável: filho ou filha é totalmente conquista e totalmente dom, surpresa, presente da Vida. Deus é assim também, está todinho como dom, enquanto nós estamos inteiros(as) em luta por conquistá-Lo sob as faces de nosso destino. Esta é a lição mais funda da Encarnação. É o que lemos, por exemplo, em Deuteronômio, na Bíblia, as vitórias de lutas do povo são simultaneamente dom de Deus. A obra de Jesus é a mesma obra do Pai (cf. Jo 5).

Jesus não é apenas “um” homem completo, mas o humano já na esfera da salvação, do “xalôm”, realização da Promessa. O oposto do pecado, é vida plenamente (cf. Jo 10, 10; 15). É o ser humano totalmente em Deus: n’Ele, não só se afirma que a Vida vem de Outro, de outra dimensão, mas se afirma, mais radicalmente, que a própria capacidade humana de responder a Deus só pode ser divina, graça absoluta. É a íntima relação com a Palavra geradora/criadora que torna possível o dom da resposta. Quando se fala de “pecado original”, em última análise, o que se quer dizer é isto: a necessidade absoluta da graça, não só da graça que completa o ser humano, mas também daquela que o salva, que o faz radicalmente capaz de responder, de reconhecer o dom de Deus; é essa incapacidade radical (absurda e impossível de explicar, porque o pecado é essencialmente absurdo, por isso inexplicável, tenebroso, irracional…) que constitui o “pecado radical” (que está nas raízes) de nós.

Por isso devemos superar todo tipo de moralismo. Deus ou as exigências do Evangelho, o que é o mesmo, não é evidente para nós; torna-se percebido diferentemente em cada época, no contexto de cada sociedade. Cada pessoa o encontra em seu próprio contexto de vida. Isto quer dizer que O percebemos pela mediação do mundo, a saber, de nosso “contexto vital”. Ora, a consequência disto é que Deus, em grandíssima escala, terá nossa própria face, será “projeção” de nossa potência e de nossas fraquezas e aspirações. Pensadores como Feuerbach, Marx e Freud têm certa razão quando insistem em que reconheçamos isso. Se há uma maneira de crer que não pode temer reconhecê-lo e até não teme nem mesmo o fim da “religiosidade” e do discurso explícito sobre Deus, é a fé cristã. Pois esta se assenta na proclamação central da Encarnação, quer dizer, de Deus percebido, encontrado, reconhecido e amado no humano. Mesmo que, por hipótese bem remota, se chegasse a perder por completo a “noção de Deus” e já não houvesse necessidade de praticar “religião” na sociedade, a Boa Nova do Evangelho continuaria com toda sua força de crítica profética e de anúncio do “Xalôm” (felicidade), com toda a sua força de mensagem de salvação. É justamente o que queria dizer o grande mártir luterano Dietrich Bonhoeffer, vítima da sanha do Nazismo, quando propunha reinterpretar em linguagem não religiosa os conceitos bíblicos. É que Deus não se “experimenta” em crenças religiosas, mas no ato e no “costume” de amar (cf. 1Jo 3-4). 

Se, por exemplo, falamos de “exigências do Evangelho”, alguém pode até nos perguntar: “Quais?”, pois cada qual as percebe necessariamente mediante sua situação existencial no mundo. Não seria muito mais importante analisar as condições objetivas da sociedade, desmascarar certos fatos e estruturas que impedem as pessoas enxergar? Era justamente isto o que fazia Jesus com Suas parábolas (cf. Mc 4) e é disto que o Apóstolo São Paulo nos fala: “Não se deixem moldar pelas estruturas do sistema deste mundo, mas transformem-se profundamente, desde seus sentimentos e pensamentos, para poderem discernir qual é a vontade de Deus”(Rm 12, 2).

Roma, 28. Julho. 1972  

About Sebastião Armando (170 Articles)
Nascido em São Miguel dos Campos, Alagoas, de família cristã, terceiro de cinco filhos, Dom Sebastião Armando Gameleira Soares fez seus estudos secundários no Seminário Metropolitano de Maceió e estudos de Filosofia no Seminário de Olinda, Pernambuco. Obteve o bacharelado e o mestrado em Teologia na Universidade Gregoriana, de Roma, com dissertação sobre Santo Anselmo, Arcebispo de Cantuária. Obteve também o mestrado em Ciências Bíblicas, no Instituto Bíblico, de Roma, com dissertações sobre o Livro dos Salmos e o Livro de Isaías, e o mestrado em Filosofia na Universidade Lateranense, de Roma, com dissertação sobre a obra do filósofo brasileiro Henrique de Lima Vaz. Ainda em Roma, fez Especialização em Sociologia, na Universidade dos Estudos Sociais, com trabalho sobre a obra de Gilber to Freyre. É também bacharel em Direito pela Faculdade de Direito de Olinda.No Nordeste, por vários anos, foi professor do Instituto de Teologia do Recife-ITER, do qual foi também Diretor de Estudos. Foi assessor membro da equipe do Departamento de Pesquisa e Assessoria-DEPA para formação teológica. Foi assessor da CNBB e da CRB do Nordeste II. É membro do Centro de Estudos Bíblicos-CEBI, do qual foi diretor nacional e coordenador do Programa de Formação. Foi ordenado presbítero na Comunhão Anglicana em 1997, já sendo professor e reitor do Seminário Anglicano no Recife. Em 1998 participou da Conferência de Lambeth, encontro mundial do episcopado anglicano, em Cantuária, na Inglaterra, como membro da equipe de assessoria no tema "Evangelização", convidado pelo Arcebispo de Cantuária, por indicação dos Bispos do Brasil. Foi eleito bispo no ano 2000 para a Diocese Anglicana de Pelotas-RS, e em 2006 eleito para a Diocese Anglicana do Recife (Região Nordeste). Em 2008, voltou a participar da Conferência de Lambeth, dessa vez já como bispo. Tornou-se emérito em dezembro de 2013. É casado há 42 anos com Maria Madalena, também alagoana. assistente social, com quem tem três filhas e um filho. Hoje se dedica particularmente ao Ministério da Palavra (estudos bíblicos e teológicos, em especial Leitura Popular da Bíblia, Anglicanismo, Escolas de Fé e Política, e Espiritualidade) em fronteira ecumênica, e junto com Madalena coordena um projeto social ("Casa Ecumênica - Crer & Ser") com crianças e suas famílias, no Alto do Moura, em Caruaru-Pernambuco, Brasil.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.


*